Os meus ciúmes eram intensos, mas curtos; com pouco derrubaria tudo, mas com o mesmo pouco ou menos reconstruiria o céu, a terra e as estrelas

Dom Casmurro. (via animicida)

(Source: esvaecimento)



E pela minha lei,
A gente era
obrigado a ser
feliz.

Chico Buarque.  (via umagabitonunes)

(Source: decepciona)



Queria sempre achar explicação pro que eu sentia.

Legião Urbana. (via oxigenio-dapalavra)

(Source: ajustador)



Que tal a fala, que tal você falando? Dizendo o que não sei, ouvindo o que estou cansado de saber? Quer ser eu? Para quê?O que é que vai fazer comigo? Ficar assim? Comunico. Vou embora. Tudo vai embora comigo. Tudo vai ficar sozinho. Mudar de rumo no meio. Alteração permitida. De novo, o espelho. A lei da atração dos espelhos me fixa aqui. Regra dos sólidos. Não me procurem em Euclides. Um giro. Quero mudar. E uma abstração. Pensar. Perguntar interrompe. Trago tudo comigo. Um imperador morre de pé. Tudo é uma questão só. Fiquei sem graça acordei dentro de um susto, o sonho foi-se. Só faço as coisas que me deixam fazer. Por exemplo, eu fico. Eu não estou mais adiante. Não adianta. Eu não passei por trás. Não me atraso. Tudo tem muito que crescer ainda. Faz de conta que eu não conto. Dobre a língua, deixe de ler. O que você está fazendo aí parado, sei fazer melhor que você. Tenho o condão mesmo quando não há nada para dizer. Melhor. Escreveremos à sombra sobre sombras, sonhando. Lanço uma hipótese, uma pergunta eclipsada por uma resposta. Crio contextos. Faço parte do que eu faço. Desenvolvo uma lógica. O ritmo é a lógica, quando esta se extingue, ponho um ponto final. E a música da carência. Ouvimos em direção ao nada. Perder-se no nada. Abri a porta: nada. Nada dizia nada. O nada no ar. O nada no som. A cidade não era nada. Eu não era nada. Mas eus* voltei do nada. Nada tenho a declarar. O nada é o maior espetáculo da Terra. Quase ouvir é melhor que ouvir. Faço uma proposta, frase feita por via de uma dúvida: alguém pensou aqui, e não fui eu. O mundo não quer que eu me distraia; distraído, estou salvo. Essa necessidade não é só física: é a necessidade da verdade, a carência de informações, a pobreza dos dados. Não é agradável ser olhado por nós, sai da geografia por meio da história. Faz física e a nega quando filosofa. Aprende errando. Não são uma espécie. Eles não vieram lutar, vieram para sorrir, amar e povoar a terra. A ciência nasceu entre os ignorantes. A fé levantou os doentes.

Paulo Leminski, Catatau.    (via oxigenio-dapalavra)

(Source: paulo-leminski)



versear:

Martha Medeiros

versear:

Martha Medeiros



5 days ago 1,324 notes / reblog this / #tempo   #traz   #tira   #falta   #vigora   #voa   #não passa   #a favor   #contra   #hora   #martha medeiros   #poesia  
Minha filha, não se envolva com amigo. Mais difícil do que iniciar o romance é terminá-lo. Não há como encerrar sem trauma, sem ressentimento, sem a crueldade da palavra exata. Ficará com medo de perder a amizade, e perderá. Não terá coragem de ser sincera como antes, e queimará o céu da boca. Não se envolva com amigo. O antigo confidente terminará sendo seu segredo, e agora, para quem contar? Acabará o amor, mas não a amizade. Ele não dará nenhum motivo para o fim da relação. Não vai traí-la. Não vai provocar ciúme. Não vai cometer indelicadezas e grosserias. O homem certo é o errado. O homem ideal é imprestável. Ele não ajudará na despedida, fugirá das discussões de relacionamento. Como chegar e falar: “A brincadeira acabou, vamos retornar ao que era antes?” Não há como regressar, a amizade não é líquida como o amor. Não é gelo que volta a ser água que volta a ser chuva que volta a ser rio. Amigo não gera nem raiva, mas pena. Não exala a sensualidade da teimosia, o suor maravilhoso da discordância. Bancará a ruptura sozinha. Ele não facilitará o testamento. Será a ogra, a monstra, a interesseira. Ele dirá: “Mas nada aconteceu, por quê? O que eu fiz?” Nada aconteceu, ele não fez nada, o fim é exatamente a monotonia do bem. O amigo é a segurança, o conforto, o pique, a trégua do pega-pega. O amigo é a previsibilidade da justiça. E o amor, minha filha, é injusto.

Fabrício Carpinejar. (via reclusivo)

(Source: t-a-q-u-i-c-a-r-d-i-a)









tempo perdido